The World System in transition: a panoramic view

04/08/2022 10:03

Sob organização do professor Chalers Pennaforte e publicado pela UFPel, este livro é uma obra coletiva escrita por pesquisadores de Relações Internacionais que buscam compreender a atual dinâmica de transformação do sistema mundial por meio de uma análise do relativo declínio dos Estados Unidos em diversos campos (econômico, político, geopolítico e ideológico) e suas consequências sobre o sistema interestatal. Immanuel Wallerstein e Giovanni Arrighi, entre outros teóricos, fundadores da World System Analysis (WSA), já apontavam mudanças na economia mundial desde o século XX. Após a euforia provocada pela queda do bloco socialista (1989) e o conseqüente fim da URSS (1991), o sistema mundial passou a ser encabeçado pelos Estados Unidos, país que encontrou um cenário favorável para a consolidação de uma economia liberal sob o comando de uma Pax Americana. Em 2008 o sistema mundial foi afetado pela crise econômica mais importante até agora, com seu epicentro em Wall Street. Desde o início do século XXI, com o mundo passando por diversas crises, vivenciamos, entre outras coisas, o ressurgimento geopolítico da Rússia, a consolidação da China como ator econômico, geopolítico e tecnológico, bem como os BRICS, cuja consequência se reflete na agressividade de Washington (Donald Trump - 2017/2021) no enfrentamento desses desafios. É importante dizer que a China era o principal alvo do ex-presidente norte-americano. A ascensão da China como concorrente direto dos Estados Unidos no Ciclo Sistêmico de Acumulação e o surgimento dos BRICS (apesar de muitos problemas conjunturais enfrentados por alguns de seus membros), juntamente com a criação do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), por exemplo , indicam um processo de transição do eixo financeiro do sistema mundial. Outro elemento que merece destaque é a pandemia de Covid-19, que tem afetado o mundo inteiro, impactando de forma relevante a economia mundial, com efeitos reais de longo prazo que ainda não foram medidos.

Download PDF

Lançamento 2021: Desigualdade, geocultura e desenvolvimento na economia-mundo capitalista contemporânea: Um olhar desde as (semi)periferias

07/04/2022 14:30

Organizado pelo professor Helton Ricardo Ouriques, esta obra é resultado do XIII Colóquio Brasileiro em Economia Política dos Sistemas-Mundo, ocorrido em Florianópolis em 2019, que teve como temática os Desafios do Brasil e da América Latina na atual Conjuntura da Economia-Mundo. Os artigos aqui reunidos tratam da teoria, do Brasil, da África e da China, discutindo o desenvolvimento, a geocultura e a desigualdade no capitalismo contemporâneo. O GPEPSM (Grupo de Pesquisas em Economia Política dos Sistemas-Mundo), nesse sentido, traz mais uma contribuição acadêmica à reflexão crítica acerca dos processos de ascensão e rebaixamento dos países e regiões na hierarquia mundial do poder e riqueza do capitalismo histórico.

Webinar Sistema-Mundo como Unidade de Análise

04/08/2021 11:30

A Análise dos Sistemas-Mundo reformula o estudo da desigualdade entre países entre e dentro das nações como aspectos constituintes de um único campo de investigação: o estudo da desigualdade e da estratificação social como processos que sempre foram globais em sua própria essência. De diferentes maneiras, ajuda a reconsiderar criticamente alguns dos legados duradouros dentro de uma perspectiva sistêmica (como o conceito de Karl Polanyi de "movimento duplo", ou a distinção desenhada por Giovanni Arrighi ou Immanuel Wallerstein entre movimentos sistêmicos e antissistêmicos). Abordagens histórico-mundiais exigem maior sensibilidade às múltiplas maneiras pelas quais as fronteiras conceituais mudam ao longo do tempo e do espaço. Levando a sério a questão da unidade de análise, o Grupo de Pesquisa em Economia Política dos Sistemas-Mundo convida o professor Roberto Patricio Korzeniewicz da Universidade de Maryland (EUA) para explorar formas criticamente produtivas para entender melhor os padrões globais de continuidade e mudança.

Realizado dia 2 de agosto 2021 às 10hs.

 

A China na economia-mundo capitalista de 1840 aos dias atuais: da incorporação forçada à integração total, voluntária e irreversível

22/03/2021 21:47

Por Pedro Vieira

Uma versão preliminar deste artigo foi apresentada no 14º Colóquio Brasileiro de Economia Política dos Sistemas-Mundo, Florianópolis, 10-11 de dezembro 2020. O objetivo deste ensaio é mostrar que desde 1840 até o presente, a China sempre esteve inserida na economia-mundo capitalista (E-MC), que é o sistema social histórico que surgiu na Europa no século XVI e que através da incorporação de áreas externas no final do século XIX já abarcava todo o globo terrestre. O sistema é capitalista porque a acumulação incessante de capital organiza e subordina a sociedade mundial. Essa é a regra mais importante do sistema e se impõe a indivíduos, instituições e países, que são recompensados ​​se a seguirem e punidos se a negarem. A China resistiu às tentativas anteriores e só foi incorporada na primeira metade do século XIX.  Desde então, as relações da China com a economia-mundo parecem ter passado por três fases: 1840-1949: integração forçada, parcial e fragmentada; 1949-1978: integração mínima; 1978-presente: integração voluntária, total e irreversível.

Confira o artigo completo em Dossiê China _comciência.

Tags: Chinaeconomia-mundoPedro Vieirasistema-mundo

ISA 2021 – Tributo a Immanuel Wallerstein

02/03/2021 13:50

O sociólogo Immanuel Wallerstein foi um dos criadores, com Samir Amin, Andre Gunder Frank e Giovanni Arrighi, da Perspectiva dos Sistemas-Mundo, que surgiu na década de 1970 como uma abordagem crítica para entender a hierarquia global e a história mundial. Wallerstein morreu em 31 de agosto de 2019. Seu impacto na academia e na prática política foi o tema no IV Fórum de Sociologia da Associação Internacional de Sociologia.

Sessão Semi-Plenária organizada pelo Comitê Coordenador de Pesquisa do ISA.
Organizador da sessão: Christopher CHASE-DUNN, Universidade da Califórnia-Riverside

Confira a participação dos professores Pedro A. Vieira e Fábio Pádua dos Santos na sessão.

Assista aqui